Eis uma grata surpresa. Após terminar Final Fantasy XIII houve um grande vazio ao tentar encontrar um outro jRpg que fosse realmente interessante. Procurei por White Knight Chronicles, mas esse jogo é dificil encontrar e na loja em que compro, poucas vezes o vi por lá. Pensei em Demon’s Soul, que apesar de ter uma crítica muito boa, dizem ser dificil demais.

Pois bem, durante a minha pesquisa encontrei Resonance of Fate. Achei os personagens legais, a critifica, de forma geral, era até que boa. E como era um rpg de turnos, como eu gosto, achei interessante pegá-lo.

RoF foi desenvolvido pela Tri-Ace e publicado pela Sega. Como já dito, é um rpg por turnos. Mas o interessante é que não existe nada de armaduras, espadas, princesas ou coisa do tipo. É um jogo de tiro e você pode equipar duas armas para cada personagem. Indo de pistolas até granadas. Há também a possibilidade de se equipar acessórios, trocar de roupas e uma vasta opção de customização de armas.

O visual do game é tão legal. Os personagens são bonitos (principalmente a Leanne), carismáticos e tudo mais. Eles podem trocar de roupas e acessórios e tudo é bem “fashion”, de dar inveja a muitos games. O design do jogo em si dá uma certa impressão de realidade “cyber-punk”, bem interessante. Mas o ruim fica por conta das dungeons que são bem estranhas.

O jogo tem como objetivo realizar missões para conseguir dinheiro e avançar os capítulos. Então, há uma divisão entre Sidequests e Missão principal.  Mas engana-se que realizá-las seja uma tarefa tão fácil, porque não será. É um jogo extremamente dificil. Como disse uma itinerante jogadora, “é um jogo que se morre em tutorial”.

Toda essa dificuldade, passa pelo sistema de batalha que é bem diferenciado e complexo.  Para simplificar você possui dois tipos de ação e danos. A primeira é a convencional, escolhe a ação (atirar ou usar itens). Já a segunda é chamada de Hero Actions, no qual seu personagem sai correndo e vai dando ataques consecutivos, mas para executá-las, é consumido pontos guardados numa barra que fica na parte de baixo da tela. Se essa barra zerar, os personagens entram em “desespero” e seus ataques ficam fracos.

Armas diferentes causam danos diferentes nos inimigos e, de maneira simples, existem os danos vermelhos e azuis. Os azuis são causados  por metralhadoras e não matam o oponente, é recuperável e descontam bastante. Já os vermelhos são danos irrecuperáveis, mas bem mais fracos. O interessante é sempre dar muito dano azul e depois acertar um dano vermelho, dessa forma, todo o dano azul é zerado descontando o que estava naquela cor.

Em suma, Resonance of Fate é um grande rpg, mas é dificil e precisa de paciência para seguir adiante, pois é necessario treinar, treinar e treinar muito para superar seus desafios. Recomendo!