Archive for fevereiro, 2011


Batman Arkham Asylum – Playstation 3

Ultimamente tenho jogado bastante Playstation 3. O incrível é que a cada novo jogo fico mais impressionado. Não sei, é incrível que por melhor que seja o game, ele não é original. Batman é exatamente isso. Um conjunto de ótima jogabilidade, efeitos sonoros, gráficos e enfim, quase tudo o que um jogo precisa ter pra ser “fodástico”. Lhe falta originalidade.

Graficamente perfeito, essa aventura (que saiu devido ao grande sucesso do filme Dark Knight) se passa na prisão chamada Arkham Asylum. Esse é o local onde todos os super vilões de Gotham são levados quando pegos pelo B-man.

Correndo pela prisão, Batman poderá pular, planar, se pendurar, lutar e, é claro, usar seu cinto de utilidades. Aliás, o que seria de Batman sem seu cinto de utilidades? Pelo menos, com ele, Bats fica bem menos tosco usando aquela cueca por cima da calça.

De certa forma, jogar Batman Arkham Asylum é como se estivesse com um amontoado de outros jogos. Se pegar a ação de God of War, as missões de Assassins Creed, a habilidade de ficar se pendurando de Uncharted, a procura por tesouros e relíqueas de Tomb Raider e colocar tudo numa cidade sombria e com alta taxa de criminalidade, você certamente terá esse game do Batman.

Não que seja exclusividade desse título, pois esse é mal que vem assolando o mundo dos games a muito tempo. Mas fica cansativo jogar a mesma coisa sempre. Portanto, se pretende jogar algo em paralelo, que seja algum estilo diferente. Afinal, por melhor que seja, Batman Arkham Asylum é um jogo extremamente cansativo e repetitivo.

Sonic Colors – Nintendo DS

Ah, como é dificil falar sobre Sonic. Talvez seja culpa daquela bendita lavagem cerebral do início dos anos 90, quando insistiam em falar sobre “a guerra dos 16 bits”, “Sega x Nintendo”, “Mega Drive x SNES” ou “Sonic x Mario”. Nada disso realmente existiu, a não ser a briga normal de empresas concorrentes sobre uma fatia no mercado.

Bom, de qualquer forma, isso surtiu efeito sobre diversos jogadores, como em este que vos escreve. Por que digo isso? Porque é muito dificil jogar Sonic, até hoje. Portanto, é um desafio imenso escrever sobre qualquer game da série sem ter aquela vontade de falar mal propositalmente.

Sonic Colors é mais uma investida da Sega para tentar repopularizar seu velho mascote. Há tempos ele vem apenas recebendo jogos mediano e dizem que o último grande jogo fora o de Sonic Adventure, para o saudoso Dreamcast.


Continue lendo

Tomb Raider Underworld – Playstation 3

Dificil falar sobre Tomb Raider. Ainda mais quando se não é fã da série, uma vez que o único jogo que experimentei foi o remake da primeira edição, denominado Tomb Raider Anniversary.

TRU teria tudo para ser um grande jogo. Design interessante das fases, muita exploração e gráficos bons, para a época. Mas logo na primeira fase todo o sonho de grandeza se desfaz. Pois existe uma quantidade enorme de tesouros pra encontrar, alguns fáceis, outros difíceis. Além do mais, você encontrará muitos bugs, até vergonhosos. Um bom exemplo, é que, não sei por que diabos na quarta expedição, a que vai para o México, quando se entra numa caverna você precisa de saltar umas rampas. Mas essas benditas rampas correm o risco de não estarem lá, o que pode lhe obrigar a recomeçar o game da primeira fase. As músicas não são legais, o jogo é muito fácil e os comandos não são tão precisos.

Por outro lado, explorar as fases buscando os tesouros e relíquias pode ser bem divertido, ainda que o jogo de câmera seja bem ruim. Outro ponto positivo é que a personagem é bem bonita e você pode escolher a roupa que ela vai usar. Dá também pra andar de moto em determinadas fases, mergulhar, escalar, enfim.

No fim das contas, Tomb Raider Underworld tinha um grande potencial para ser a melhor das aventuras de Lara Croft, mas não foi. Esse título ainda pertence a Tomb Raider 2, do saudoso Playstation. Deus do céu, como o tempo passa…