Archive for dezembro, 2010


Vanquish – Playstation 3

Impressão – Franquia nova idelizada pelo estúdio Platinum Games de Hideki Kamiya (Devil may cry) e Shinji Mikami ( Resident Evil),è um jogo de tiro em 3º pessoa que lembra bastante Gears of War, mas que tem uma jogabilidade bem mais rápida. Tem uma história meio clichê sobre Estados Unidos VS Rússia,mas que não atrapalha.o Jogo é bem FRENÉTICO, ação rápida e caótica , muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, varios e varios inimigos aparecendo ( alguns ENORMES).Conta com um sistema de “bullet time” muito interessante e fácil de ser usado,mas que consome energia de sua armadura, e para usa-lo de novo é necessário esperar sua armadura esfriar.

Prós: Jogabilidade rápida e precisa, gráficos bem feitos e super detalhados com uma temática futuristica, varios troféus a serem habilitados durante o jogo ( cumprindo certos requisitos), e algumas estátuas a serem achadas ( tem um total de 112, terminei o jogo ontem e só achei 15) o que incentiva o jogador a terminá-lo mais de uma vez.O sistema de rank online tambem incentiva o jogador a melhorar sua performance durante as fases e postar seu placar na rede,habilitei a dificuldade God Hard e pareceu bastante desafiadora,e após cumprir alguns requisitos vc habilita tambem os “challenges”, que são uma serie de desafios fora da campanha principal

Contras: A pouca variedade de inimigos, as músicas são boas, mas não tem nenhum tema memorável.

Dou um 9.

por Léo Miranda.

Um pouco do gameplay

Final Fantasy XIII – Playstation 3

Aí está uma franquia de peso. Anunciar o desenvolvimento de um novo Final Fantasy sempre gera muita expectativa. E, por incrível que pareça, desde a geração passada Final Fantasy vem deixando de ser “a” franquia de rpg. Isso acontece devido ao hype gerado devido ao extremo sucesso de seus antecessores, ainda mais os da época do SNES, verdadeiros clássicos.

Final Fantasy XIII tem um enredo consistente e bem interessante, com personagens legais e meninas bonitas. Oxalá eu vivesse no mundo de FF, onde só tem mulher gostosa, de fácil acesso e que usam roupas curtas. Falando dos personagens, eles lembram um pouco o esquema usado na sexta versão, onde não havia apenas um protagonista. Na décima terceira aventura da série, apesar de ter um enredo principal, cada um dos personagens tem seu próprio objetivo. Alguns são emos, outros se denominam heróis, etc.

A jogabilidade está um tanto linear, pelo menos nas primeiras horas de jogo. Mas o sistema de batalha trouxe de volta a barra de tempo, ATB e diversos outras novidades. Dessa vez você não terá mais MP, quando morrer não voltará do último save, mas sim a momentos antes da última batalha. Cada personagem tem apenas um summon e as magias são aprendidas através de um sistema parecido com o Sphere Grid de Final Fantasy X.

Apesar de ter deixado muitos fãs desapontados com as mudanças, FFXIII é um ótimo game que merece ser jogado de boa. Um jogo típico para quem gosta de um bom enredo com gráficos bonitos.

Uncharted 2: Among thieves

E cá estamos nós, embarcando em mais uma aventura atrás de tesouros não mapeados/cartografados. Dessa vez o enredo de Uncharted está mais maduro. Não é mais uma pura e simples caça ao tesouro com uma loira ao seu lado. Agora alguns elementos mudaram, há traição, cenas picantes e até mesmo um vilão que realmente te deixa impressionado com tamanha frieza.

Não foi só isso que mudou. A jogabilidade teve algumas alterações também. Agora Nate está um pouco menos sensível ao controle. Os comandos para mirar também foram alterados em relação ao game original. As granadas agora não são mais armas que necessitam estar equipadas, basta apertas L2. A Dragon Sniper, caso queira usar a mira de longo alcance é preciso pressionar R3.

A dificuldade caiu um pouco, o game original era potencialmente mais dificil. Existiam fases de tiroteio que se desenhavam quase que impossível de passar, chegando a dar raiva. Talvez isso seja reflexo da experiência adquirida no último game, mas dar headshots e se esconder ficou super tranquilo.

Mas o ponto forte do game, além dos gráficos magníficos, certamente é a trilha sonora. As músicas passam exatamente o sentido para qual o game foi criado: a aventura. Elas te despertam um sentimento que te faz lembrar aventuras épicas, fato heróicos e tudo mais.

Em suma, Uncharted 2 é um grande game. Obrigatório para donos de ps3, embora sempre dê aquela impressão de “mais do mesmo” aos que jogaram o primeiro da franquia.

Bionic Commando Rearmed – Playstation 3

Muitos não sabem o que vem a ser Bionic Commando. Ao ouvir esse nome, sempre chegam frases como “Jogo horrível”, “Nunca ouvi falar”, etc. Pobres daqueles que não sabem que um braço mecânico com uma garra e uma arma podem fazer.

Bionic Commando Rearmed é, na verdade, um remake de um clássico da Capcom. Nele você controla um soldado que luta sozinho contra um exercito, no melhor estilo “rambo” de ser. O game tem a jogabilidade 2D, mas os gráficos são todos em 3 dimensões e em alta definição.

A jogabilidade é o ponto forte do game. Ela é dificil de ser assimilada, mas após isso você nem notará que o personagem principal não pula, apenas se pendura pelo cenário. Além de se pendurar, ele pode utilizar diversas armas coletadas no decorrer do game.

Já a dificuldade, Deus do céu. Você ficará muito bravo com esse jogo, de verdade. A sorte, ou não, é que ele tem vidas infinitas, então morrer passa a ser uma opção viável até. Tirando isso, você deverá calcular a distância dos saltos, tomar cuidado com os tiros que são lançados contra você, e ainda não atirar mísseis próximos de obstáculos, visto que a explosão pode te matar.

Enfim, Bionic Commando é um jogo que irá te fazer passar raiva, mas também fará com que você não pare de jogar até que chegue ao final dele. Um grande remake que conseguiu melhorar o original. Ah, se todos os remakes fossem assim…

Megaman 10 – Playstation 3.

Jogar Megaman 10 é, de certa forma, o mesmo que retornar a infância e se ver com um controle de NES lutando contra os terríveis robôs dos dois primeiros jogos da série. Não digo isso pelos gráficos terem visual totalmente retrô, mas sim por causa da jogabilidade e da extrema dificuldade do jogo.

O Robozinho azul só atira e pula, não tem mais nenhum movimento avançado, como carregar o tiro ou escorregar. Ou seja, você estranhá de monte, afinal, é um absurdo o Megaman não escorregar. Você tentará correr com o tiro carregando, mas ele não brilhará e quando soltar o botão não sairá um super tiro.

De qualquer forma, o desafio é imenso, embora haja a possiblidade de escolher entre as dificuldades Easy, Normal e, posteriormente, Hard. Mas não pense que a dificuldade Normal é para noobs. Às vezes chega a dar raiva por você não ter conseguido pular devido a um bichinho que surge no buraco justamente quando você está no meio do salto. Ou até mesmo quando uma maldita tempestade de areia te impede de ver buracos e espinhos. Outro fator interessante é a possibilidade de coletar troféus na PSN, alguns impossíveis, como zerar o jogo dando perfect, outros trabalhosos, como matar todos os tipos de inimigos.

No entanto,o Megaman conta com a ajuda de Rush e de uma loja de itens. Aí sim! Há a possibilidade de coletar parafusos nas fases e trocá-los por itens como vidas, tanques de energia, remover o capacete e tudo mais.

No mais, Megaman 10 continua na média, com gráficos legais e músicas interessantes. Recomendado apenas para fãs da série.